Caracterização acústica do fenômeno de monotongação dos ditongos [aj, ej, oj] no falar florianopolitano

Carine Haupt, Izabel Christine Seara

Resumo


Neste artigo, analisamos acusticamente o fenômeno de monotongação dos ditongos [aj, ej, oj] em sílabas abertas e fechadas no falar de Florianópolis. Esses dados foram extraídos de quatro entrevistas de informantes florianopolitanos do sexo masculino. Essas entrevistas constituem o banco de dados do Projeto VARSUL (Variação Linguística na Região Sul do Brasil). Observamos que o fenômeno de variação não se dá de forma abrupta havendo uma gradiência nos casos investigados. A semivogal deixa vestígios de sua presença: na duração do segmento resultante da monotongação e na trajetória dos formantes. Nessas trajetórias, identificamos diferentes configurações: (i) o primeiro alvo (vogal de base) alongado ou (ii) a articulação de um segundo alvo (semivogal) que não se completa. Notamos ainda que, mesmo em ditongos, nem sempre é possível identificar dois alvos estáveis, fato que nos leva a considerar que a gradiência do fenômeno já se inicia nos segmentos que ainda percebemos como ditongos.

Palavras-chave


Monotongação. Português brasileiro. Análise acústica

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.