“Ia na escola alemã e de um dia pro outro fechou. E nós não sabíamos falar o português”: refletindo sobre as políticas linguísticas em contexto de língua minoritária

Maristela Pereira Fritzen

Resumo


Pretende-se neste trabalho discutir as políticas linguísticas nacionais e locais, tendo como foco de análise o cenário sociolinguístico do Vale do Itajaí, SC. Busca-se chamar a atenção para o contexto intercultural da região, a fim de problematizar a educação que tem sido oferecida a crianças vindas de grupos de línguas minoritárias. Primeiramente será apresentada uma breve contextualização histórica da escolarização no município de Blumenau, SC. Em seguida, serão discutidos movimentos recentes de implementação de uma proposta de política linguística que teve início no município em 2002 e um dos seus projetos, o Projeto Escolas Bilíngues. Na sequência, será feita uma análise do Projeto à luz dos modelos e concepções de educação bilíngue (FREEMAN, 1998; HAMEL, 1989). Por fim, serão lançados alguns desafios para a escolarização em contextos de línguas de imigração, como forma de contribuir para o debate em torno das políticas linguísticas.

Palavras-chave


Políticas linguísticas. Línguas minoritárias. Educação. Imigração alemã

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.