A caracterização da fábula a partir de seu Potencial de Estrutura Genológica (PEG)

Gessélda Somavilla Farencena, Cristiane Fuzer

Resumo


Neste trabalho são analisadas sete fábulas originalmente atribuídas a Esopo e sete versões revisitadas por Millôr Fernandes. Com base na perspectiva teórico-analítica de análise de gênero de Hasan (1989), objetiva-se caracterizar a fábula como gênero textual em termos de seu Potencial de Estrutura Genológica (PEG). Utilizando a definição de Halliday (1989) de contexto de situação faz-se a análise da Configuração Contextual (CC) dos textos de cada autor e, em seguida, passa-se à identificação dos movimentos e estágios que constituem os textos. Quanto à CC, verificaram-se semelhanças quanto a personagens, situações apresentadas e modo, diferindo quanto à função retórica. Em relação ao PEG, constatou-se que as fábulas são estruturadas por quatro movimentos retóricos constituídos por cinco estágios obrigatórios e três optativos. Dentre os optativos, algumas fábulas produzidas por Millôr Fernandes apresentam um estágio inexistente nas fábulas de Esopo e que traz desfechos diferentes quando comparados os pares dos dois autores.

Palavras-chave


Configuração Contextual. Potencial de Estrutura Genológica (PEG). Fábula

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.