Graus de vinculação das condicionais no discurso publicitário

Rosane Santos Mauro monnerat

Resumo


Este trabalho objetiva apresentar os diferentes graus de vinculação das orações condicionais, com base num corpus de textos publicitários. Partindo da diferença entre condições diretas e condições indiretas (Quirk, 1985), pretende-se analisar diferentes graus de hipótese, segundo as especificações modo-temporais dos verbos, o que permitirá delimitar três áreas de atuação das condicionais diretas – grau mínimo (condicionalidade factual), médio (condicionalidade não factual, ou potencial) e máximo (condicionalidade contrafactual). Relativamente às condicionais indiretas, o estudo incidirá sobre as especif icidades não só do domínio dos atos de fala como também do domínio epistêmico (Sweetser, 1992) para caracterizar determinados enunciados condicionais em que o conteúdo da prótase e o da apódose não se apresentam em relação puramente canônica, marcados que são por expressões convencionais de polidez, ou de incerteza sobre o conhecimento extralingüístico necessário para a interpretação dos enunciados, por comentários metalingüísticos ou ainda, por condições de enunciação com força ilocutória de pedidos, oferecimentos indiretos, ou perguntas.


Palavras-chave


Graus de hipótese, Condicionais diretas, Condicionais indiretas

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.