O processo de construção identitária na escola

Rosely Diniz da Silva Machado

Resumo


Este artigo tematiza os dizeres de alunos[1] sobre como se percebem acerca da sua identidade enquanto sujeitos e também sobre o que aprenderam da cultura afro na escola. Sendo este um dos lugares de produção/reprodução de saberes específicos sobre o que se entende por negro/afrodescendente, compartilho, na perspectiva teórica da Análise de Discurso Pecheuxtiana, recortes de cenas do cotidiano escolar, espaço fértil que nos oportuniza pensar para além dos seus muros, enquanto possibilidade de ultrapassá-los quando da necessidade de dizer, bradar, clamar, vozear, através da análise de discursos e seus dilacerantes efeitos de sentido.

[1] Faço aqui referência à pesquisa realizada pela Professora Stela F. Ieck, na Especialização em Linguagem, Cultura e Educação/2010, a qual contribuiu, sobremaneira, concedendo parte do seu corpus de pesquisa para a reflexão aqui encaminhada. Portanto, neste artigo, serão utilizadas as sequências discursivas dos alunos com quem a referida Professora conviveu durante a realização da sua pesquisa.

 


Palavras-chave


Discurso; Escola; Cultura; Identidade; Sentido.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.