A linguagem da diferença no “entre-lugar” da convivência na fronteira Chuí-Chuy

Luiza Machado da Silva, Hilário I Bohn

Resumo


As fronteiras que delimitam países, marcam sua soberania diante dosseus limites. Esse é o carácter oficial das fronteiras. No entanto, quandofalamos da fronteira como um espaço geográfico que agrega, aomenos, duas diferentes nacionalidades, duas leis soberanas e duaslínguas, percebemos que as fronteiras oficiais interessam apenas à vidaburocrática dos seus habitantes. A eles recaem outras tantas fronteirasinvisíveis e bem mais complexas pornão serem determinadas por regrase leis, que causam fascínio e curiosidade a nós, pesquisadores dalinguagem e da sociedade, de forma a pesquisá-las. Este artigo resultade um recorte de uma pesquisa que tem por objetivo averiguar comoos habitantes da fronteira Chuí-Chuy lidam com os hibridismoslinguístico-culturais e como esta diversidade é materializada nosdiscursos e nas práticas sociais dos afazeres diários dos habitantes dafronteira.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.