Ensino de leitura e apropriação dos saberes pela didática da leitura subjetiva em Nenhum peixe aonde ir (2006), de Marie-Francine Hébert

Luciana Brito

Resumo


Este artigo apresenta a didática da leitura subjetiva a partir de trabalho docente sobre o livro infantil Nenhum peixe aonde ir, de Marie-Francine Hébert, 2006, que integra o acervo do Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE). O trabalho aqui apresentado versa sobre a didática da leitura subjetiva, implementada na França no início do século XXI; e proposta de plano de trabalho com Nenhum peixe aonde ir, de Marie-Francine Hébert, 2006, enfatizando a depreensão dos saberes literários pela escrita de diários de leitura em sala de aula. Partimos da temática dos “conflitos sociais”, com o intuito de trilhar possibilidades de ensinar a ler literatura em sala de aula, para turmas do Ensino Fundamental II, 6º ano, por meio de elementos que revelam a subjetividade do leitor, bem como sua competência estética (Rouxel 2014: 28). O trabalho justifica-se pela subjetividade da leitura estar inserida de forma constitutiva no ato de ler, como questão contextual, sociocultural e identitária do leitor em formação (Jouve 2013: 65 e Michèli Petit,2008).

Palavras-chave


Ensino; literatura;formação de professsores

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.