Da Linguística Aplicada à didática das línguas: pela diversidade de pesquisas favoráveis ao trabalho com língua estrangeira

Décio Rocha

Resumo


O artigo retraça o caminho percorrido para a institucionalização do FLE, num diálogo entre tendências aplicacionistas, originadas na linguística aplicada, e  independentistas, preconizadas pela didática das línguas. Busca-se, desse modo, reconstituir uma memória discursiva do ensino do francês como língua estrangeira, memória essa que remonta minimamente aos estudos de gramática e tradução do século XVII e que já vem sendo, em parte, reivindicada por estudiosos da área. À guisa de conclusão, após a crítica à ideia de uma linguística que se aplicaria aos estudos voltados para o ensino de línguas, propõe-se uma revisão do tipo de interdisciplinaridade que uma didática das línguas poderia mais produtivamente acolher.


Palavras-chave


FLE; Língua estrangeira; Linguística Aplicada; Didática das línguas; Políticas linguísticas

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Qualis: A1 (Letras)

ISSN (impresso):1415-1928

ISSN (digital): 1983-2400

Indexadores: Modern Language Association of America, Cambridge Scientific Abstracts, Latindex, EBSCO Publishing e Linguistics Abstracts.